Páginas

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

imagem: calerdoses.blogger.com

Minha idéia era subir até de onde não veria mais o chão.

Passei pelos primeiros telhados:
alguns cinzas, outros vermelhos.
Subi...

Cheguei à copa das árvores.
Primeiro as menores, depois as outras...
Vi pássaros
(Muitos, muitos!)
E subi...

Cheguei ao alto dos edifícios mais antigos.
E, pelas janelas, vi senhoras
olhando televisões mal sintonizadas,
sem, daí, me verem passar.
E subi...

Cheguei aos arranha-céus mais altos,
e vi jovens engravatados apontando gráficos diante de senhores incrédulos.
E subi...

Cheguei ao encontro de aviões,
aeronaves,
astronautas.
As aves, então, as mais fortes e velozes.
Até o vento ter cor e cheiro,
até o silêncio ser medido em decibéis.
E subi...

Cheguei bem lá no alto,
depois de onde nada mais havia,
de onde nem o chão, finalmente, mais se veria,
e subi...

Até ter medo de olhar para baixo
Até começar a ter medo

de altura.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Aquele 27 de novembro de 2009...



AC/DC nos transforma em crianças de doze anos de idade
Texto por Regis Tadeu, do Yahoo! Brasil
Fotos por Vini Cardia, meu companheiro de Highway to Hell!

Existem alguns mistérios no mundo em que vivemos que jamais terão algumas explicações frias, racionais e científicas. Um deles é o fascínio que um show do AC/DC exerce sobre a alma das pessoas que adoram rock - e até mesmo de quem nem é muito chegado ao gênero.

Fiquei pensando nisso quando voltava para casa, depois de ter assistido ao segundo momento de catarse coletiva promovida pelo grupo que presenciei em minha vida. Será o repertório? Pode ser, já que uma banda que nunca fez uma música ruim sequer sabe muito bem o que funciona ou não em cima de um palco. Ok, eles lançaram um discos mais fracos que os outros, mas mesmo o mais fraco deles - o mediano Fly on the Wall (de 1985) - é melhor do que 70% da produção total de músicas em todos os tempos.

Ou será que é o carisma dos caras, mesmo que aquilo que certos integrantes demonstram em cima do palco não possa ser chamado de "performance carismática"? Pode ser também. Pegue o batera Phil Rudd, por exemplo. Os mais desatentos sempre costumam dizer que ele é o batera que tem o emprego mais fácil do mundo, já que suas levadas de bateria seriam muito simples. Grande erro! Pegue qualquer um desses bateras fodões que andam por aí e peça para o cara tocar uma música qualquer do AC/DC com a mesma pegada e vigor que Rudd coloca na levada caixa & bumbo. Pode apostar que o resultado vai ser algo que beira o patético. Ninguém toca como Phil Rudd. A mesma coisa vale para o baixista Cliff Williams.


E tem o Malcolm Young, o irmão do Angus e - o que pouca gente sabe - o "motor" da banda. Sim, ao contrário do que todo mundo pensa, ele é o principal compositor das músicas da banda, incluindo todos aqueles riffs de guitarra espetaculares, que deveriam ser ensinados às crianças desde o berçário no hospital. É ele que arranja as canções e quem puxa as músicas durante as apresentações ao vivo. Há alguns anos, o próprio Angus disse a mim, em uma entrevista por telefone, que "o AC/DC, sem o Malcolm, seria apenas uma boa banda para animar um Bar Mitzvah".

E tem o Brian Johnson... Na hora do show, como é que a gente pode gostar de um vocalista que não canta nada, cujo timbre de voz lembra o Pato Donald com laringite e que tem a presença de palco de um caminhoneiro escocês? A resposta talvez esteja simplesmente no fato de que ele é isso tudo o que escrevi, só que exalando uma simpatia que beira o sobrenatural para um cara com mais de 60 anos de idade.

E aí a gente chega nele... Quando surgiu no show business, Angus Young já tinha aquela ridícula indumentária de "garoto que acabou de voltar da escola" que ele jamais abandonou ao longo da carreira. E todos nós sabemos o que ele vai fazer em cima do palco: tocar muito - e ele é um excepcional guitarrista! -, balançar as pernas e os pés alternadamente, mostrar uma ou duas coreografias copiadas do Chuck Berry, correr de uma lado para outro do palco gigantesco, mandar caretas para a platéia, engatar um strip tease e mostrar a sua bunda magra e branca para todos nós.

Aí, vem a pergunta que não quer calar. Se sabemos de tudo isso, por que, mesmo assim, somos levados a chorar de felicidade em um show do AC/DC? Por que cantamos todas as músicas, palavra por palavra? Por que berramos como vikings toda vez que identificamos a música que o quinteto começa a tocar e quando as mesmas canções chegam ao fim? Por que o Estádio do Morumbi estava lotado de gente com ridículos chifrinhos vermelhos piscantes? Por que vi marmanjos imensos, que encarariam facilmente uma luta contra o Mike Tyson quando este estava no auge, chorando como crianças durante "Highway to Hell", "Back in Black", "Hell Ain't a Bad Place to Be"? Por que eu mesmo, que tenho um coração da pedra na hora de assistir a um show, estava com lágrimas nos olhos em "For Those About to Rock (We Salute You)"?


É, existem alguns mistérios que jamais serão solucionados...

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Vagabundos no Show do AC/DC!

É sexta-feira!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Eu comprei a Playboy da Fernanda Young!

imagem: playboy.com.br


Sim, eu sei: basta uma pequena busca na internet para que eu tenha acesso a todas as fotos da revista, para que eu sacie minha curiosidade de ver a escritora nua, mesmo sob todos os enormes retoques que as fotos devem ter sofrido – sabido e óbvio que é o fato da musa não ter as formas e músculos em sua perfeita ordem.

Mas considero a compra da Playboy da Fernanda Young um ato político! Comprei porque quero que a Playboy ganhe dinheiro com ela, que a Fernanda ganhe dinheiro, que receba outros convites da revista, de outras revistas, da Brasileirinhas, que vire top of mind dos punheteiros! Como a que a própria Fernanda se propõe, que um pouco de inteligência, pelo menos, já seja suficiente razão para uma masturbação, e que essas mulheres bundudas, frutas e legumes, ocas e burras pra caralho finalmente saiam do imaginário masculino e dos sonhos de (auto-)consumo das mulheres!

Fernanda Young afirmou que busca, com sua pose para a revista, "salvar o erotismo da burrice e do mau gosto". Concordo: não lembro da última vez em que eu havia comprado uma Playboy - certamente deve ter sido na minha adolescência, de alguma das dançarinas (sic) de axé que iniciaram a sexualidade da minha geração. Não consigo entender como alguém com o primeiro grau completo consegue se excitar com a tal “mulher melancia”, por exemplo, ou outra daquelas com as quais, no passado, eu descabelava o palhaço. Com catorze anos, tocar uma bronha para a Carla Perez e sucessoras é uma coisa... Mas hoje, dez anos e alguns livrinhos depois? Por favor...

Claro que nem tudo são flores ainda. Não nos iludamos. Não é uma pequena ousadia da versão brasileira da mais tradicional revista de nudismo feminino que transformará todo um esteriótipo de beleza formado, principalmente, ao longo dos últimos quinze anos. Mas é um passo, uma jornada que se fortalece com elogios à iniciativa como faço agora, ou, mais ainda, como fiz, com a compra da revista. Há de chegar o dia em que ficaremos de pau duro lendo Agatha Christie, conhecendo a vida de Madame Curie, ouvindo Danuza Leão falar de vinhos em Paris, ou simplesmente observando uma das tantas Mulheres de Verdade que ainda nos cercam esperando um ônibus, pensativas, com seus cachecóis enrolados no cangote.

domingo, 15 de novembro de 2009

O pior inimigo é o falso amigo

Por Danuza Leão

Já que é inevitável ter inimigos, a coisa melhor do mundo é ter um de verdade: que te odeie com lealdade e sinceridade - sem nenhum fingimento. Ele é capaz de falar mal de você em público sem ter, em momento algum, medo de que repitam o que ele disse. E também pode te dar um tiro ou uma facada, mas sem nunca te enganar -sempre numa boa.

Não é, positivamente, do tipo que diz "vou te contar uma coisa, mas não repita, fica só entre nós". Dele você pode esperar sempre o pior: que impeça que aquele negócio que estava planejando havia anos se realize, que diga àquela gata que está povoando seus sonhos que você é um cafajeste, que o dinheiro que você esbanja vem do tráfico de drogas -ou coisas ainda piores. Sabendo do que ele é capaz, você pode sempre se defender -o que é mais fácil do que lidar com a hipocrisia.

Como guerra é guerra, nada que ele faça de ruim poderá surpreender -essa é a vantagem de ter um inimigo leal. Quando se encontram num restaurante, você já sabe que deve ficar alerta e se sentar de costas para a parede, como fazem os malandros.

Ele é capaz de seduzir sua filha menor, de contratar alguém para roubar seus documentos e de jurar sobre a Bíblia sagrada que viu você subornando um político. Tudo faz parte, e quanto mais coisas ele fizer contra você, mais você aprende a se defender; como se aprende com um inimigo assim -ah, como se aprende.

Perigosos mesmo são os pseudo-amigos, aqueles que te tratam bem e que volta e meia fazem um comentário sobre você -maldoso e irônico, mas não tão maldoso a ponto de chocar-, afinal, é apenas uma brincadeira, será que você perdeu o humor?

E aquele que passou anos construindo a imagem do bom caráter de carteirinha pode fazer você levar a vida inteira na dúvida, sem ter coragem de encarar a verdade: que se trata apenas de um crápula.

A tal da imagem ilude muita gente, que durante anos pensa que o personagem é defensor das boas causas, dos fracos e oprimidos, e sempre politicamente correto -faz parte do modelo, claro. Incapaz de encarar uma briga de frente, ele não consegue nem ter inimigos, pois, como ser humano, não passa de uma fraude -e de um covarde.

Está sempre atrás de alguma vantagem -alguma pequena vantagem- e frequentemente comete traições -pequenas traições que dificilmente poderão ser comprovadas. E se alguém ousar acusá-lo de alguma coisa, sempre haverá alguém para defendê-lo -afinal, de uma pessoa com um passado tão correto, só um louco ousaria dizer alguma coisa.

Suas maldades e falhas de caráter nunca são grandiosas, porque nada nele é grandioso. Suas maldades são pequenas, porque tudo o que ele faz é pequeno; pequeno como sua pessoa, como sua alma. Mas, às vezes, se tem que conviver com gente assim -como fazer?

Se for seu caso, não faça nenhum tipo de concessão. Cometa um assassinato, internamente, e esqueça de que ele existe -mas esqueça mesmo. Mas atenção: é importante que ele saiba que você sabe perfeitamente quem ele é.

Fique cego quando passar por ele, e se alguém mencionar seu nome, não ouça; esqueça das mesquinharias de que é capaz um pobre ser humano. E valorize seus inimigos, os bons. Eles estão sempre dispostos a liquidar com você, mas sempre com a maior lealdade.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Amizade Feminina Vs Amizade Masculina

"Duas mulheres se encontram na rua, uma delas saindo do cabeleireiro:

Mulher 1: Olá, querida!!! Você cortou o cabelo?

Mulher 2: Cortei amor! Você não imagina com quem… o Edson, aquele mago da tesoura.

Mulher 1: Maaaraaaviiilhooosooo. Ficou 10 anos mais moça. Essas mechas, que bárbaro! Vou mandar fazer igualzinho. Foram luzes?

Mulher 2: Não menina, é uma técnica nova de clareamento que ele trouxe da Itália. Imagina que… (Meia hora depois…)

Mulher 1: Então tá bom querida. Corre pra casa que teu namorado vai morrer de orgulho da mulher que tem.

Mulher 2: Ai amiga, te adoro! Beijinhos!

Mulher 1 sai pensando: Como essa perua ficou ridícula! Será que ela não se enxerga? Não sei como aquele gato do namorado dela continua com ela. Se der mole eu agarro ele.

Mulher 2 sai pensando: Essa galinha deve estar morrendo de inveja do meu visual. Ainda quer fazer igual, vê se pode! Com aquele cabelo que parece um arame. Nem com implante!

.............................................

Dois homens se encontram na rua, um deles saindo do barbeiro:

Homem 1 : Opa! E aí seu filha-da-puta? Tava cortando o cabelo né?

Homem 2: Não jacu… tirei pra lavar, aproveitei e deixei a orelha crescer!

Homem 1: Que merda de corte, hein? Tu tá parecendo um viado. O cabelereiro entendeu PRA BICHA ao invés de CAPRICHA é?

Homem 2: É… mas tua mãe gostou.

Homem 1: Falou então!…ah, manda um beijo pra aquela gostosa da tua irmã, viu?

Homem 2: Vai se fuder, seu corno! Até mais!

Homem 1 sai pensando: Esse cara…Gente finíssima!

Homem 2 sai pensando: Adoro esse cara… Muito gente boa…"

(autor desconhecido)

domingo, 8 de novembro de 2009

Um hino...

... dos 'on the road' de duas rodas.


terça-feira, 3 de novembro de 2009

Si.

Demoro tanto a te encontrar,
por mais que eu ande por aí.

E ande,

e ande mais...

Parece que foges de mim,
ou que não estás em lugar algum.

Sigo a te procurar,
a andar sem parar por novas vizinhanças,
a cruzar outras fronteiras,


procurando bendizer fantasmas que são só meus, eu sei,
que têm expurgo dentro de mim mesmo,
mas que não consigo fazê-lo,

por mais que eu ande
por aí...



Numa despretensiosa tarde de domingo, porém,
vejo-te rodeada de luz num canto de mesa:


um sorriso constante nos lábios,
uma voz musicalmente suave,
e toda a doçura do mundo!



Tento trazer-te para o meu lado:
Conquistar teu coração!



Mas escuto de ti que não posso tê-lo,
pois sigo achando que meus fantasmas estão fora de mim,
em qualquer outro lugar,



que não é a teu lado.

domingo, 1 de novembro de 2009

Os Mandamentos de Garfield

01-Viva para descançar.

02-Ame sua cama, ela é o seu templo.

03-Se ver alguém descansando, ajude-o.

04-Descanse de dia para poder dormir a noite.

05-O trabalho é sagrado, não toque nele.

06-Nunca faça amanhã o que você pode fazer depois de amanhã.

07-Trabalhe o menos possível, o que tiver que ser feito deixe que outra pessoa faça.

08-Calma, ninguém morreu por descansar.

09-Quando sentir desejo de trabalhar, sente e espere que ele passa.

10-Não se esqueça, trabalho é saúde. Deixe o seu para os doentes.

Fonte: alguma comunidade do orkut, que eu não lembro qual

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Vagabundos Iluminados nos Jogos Olímpicos do Rio - 2016

Nós, Vagabundos Iluminados, também ficamos orgulhosos de ver nosso presidente – rodeado de outros brasileiros geniais como Pelé e Paulo Coelho - com lágrimas nos olhos após a eleição do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016, tirando onda do Barack Obama, e dizendo que, se morresse naquele dia, morreria feliz!

Afinal, aquilo foi mais um reconhecimento da grandeza do Brasil, do Brasil como potência no mundo – coisas que o Lula, a Globo e outros tantos megalômanos sempre falaram! Afinal, o que importa se temos 30% da nossa população vivendo abaixo da linha de pobreza? Que 60% do nosso povo é analfabeto funcional? Que vivemos surtos de dengue, meningite e febre amarela sazonalmente? Ou que o tráfico de drogas e o turismo sexual são parte importante da riqueza que produzimos?

Quem fala isso é gente pessimista, gente “do contra”, que não reconhece a grandeza do nosso país! Nosso presidente é líder mundial, nossas novelas estão em todos os cantos do mundo, temos petróleo, a Amazônia, as mulatas, as praias, e, a nossa maior riqueza, esse povo alegre e feliz!

A vinda dos Jogos Olímpicos para cá é uma vitória dos pobres do mundo! Afinal, já estava na hora dessa gente loira, de olhos azuis, saudável e responsável pela crise financeira mundial parar de preconceitos contra nós, e nos aceitarem como somos: pobres, ignorantes e desdentados.


foto: luzionline.com


Para celebrar essa grande vitória do nosso país guerreiro, batalhador e brahmeiro, repasso um texto de autor desconhecido que recebi por e-mail de um amigo, com o cronograma das atividades que teremos até 2016:

"Até o fim de 2009

1. As TVs vão entrevistar os idealizadores da candidatura, dando parabéns etc dando a entender que todo o mundo queria a candidatura do Rio. Por todo mundo entende-se todo o planeta mesmo…

2. No réveillon os fogos vão formar o símbolo olímpico no céu de Copacabana. (profecia já confirmada por matéria do Globo de hoje, 17/10)
3. Na Malhação, um dos personagens estará em treino pras Olimpíadas e vai dizer em todos os capítulos que competir em casa será “irado” e “sinixxxxxxtro”


Na Copa de 2010

1. Galvão Bueno durante a narração dos jogos da seleção brasileira vai dizer que a olimpíada ééééééééeé do Brrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrasil…..

De 2010 a 2015


1. ONGs vão pipocar dizendo que apóiam o esporte, tiram crianças das ruas e as afastam das drogas. Após as olimpíadas estas ONGs desaparecerão e serão investigadas por desvio de dinheiro publico. Ninguém será preso ou indiciado.

2. Um grupo de funk vai fazer sucesso com uma música (?) que diz: vou pegar na tua tocha e você põe na minha pira; sendo que eles nunca souberam o que era uma pira até então.

3. Um ano antes a Globo vai instalar aqueles relógios ridículos na orla de Copacabana e em outras capitais fazendo a contagem regressiva pro inicio dos jogos.

4. Uma escola de samba vai homenagear os jogos, rimando “barão de coubertin” com “sol da manhã”. Gilberto Gil virá no ultimo carro alegórico vestido de lantejoulas douradas representando o “espírito olímpico do carioca visitando a
corte do Olimpo num dia de sol ao raiar do fogo da vitoria”.

5. Haverá um concurso pra nomear a mascote dos jogos que será um desenho misturando um índio, o sol do Rio, o Pão de Açúcar e o carnaval, criado por Hans Donner. Os finalistas serão nomes tais como: “Zé do Olimpo”, “Chico
Tochinha” e “Kaíque Maratoninha”.

6. Luciano Huck vai eleger a Musa dos jogos, concurso que durará um ano e elegerá uma modelo chama Kathy Mileine Suellen da Silva.

7. Milhões de produtos serão anunciados como oficiais dos jogos, desde as habituais camisetas EU VOU RIO 2016 até calcinhas e lógico, biquínis que de tão pequenos terão apenas 2 dos 5 anéis olímpicos.


Abertura dos jogos

1. a tocha olímpica será roubada ao passar pela baixada fluminense. O COB vai encomendar outra em urgência pro carnavalesco da Beija flor.

2. Zeca Pagodinho, Dudu Nobre e a bateria da mangueira farão um show na praia de Copacabana pra comemorar a chegada do fogo olímpico ao Rio. Por motivo de segurança, Zeca Pagodinho será impedido de ficar a menos de 500 metros da
tocha.

3. Durante o percurso da tocha, os brasileiros vão invadir a rua e correr ao lado do atleta que porta a mesma carregando cartolinas cor de rosa onde se lê GALVAO FILMA NÓIS, 100% FAVELA DO RATO MOLHADO.

4. Pelé vai errar o nome do presidente do COI, discursar em inglês macarrônico elogiando o povo carioca e ao final vai tropeçar no carpete que foi colado 15 minutos antes do início da cerimônia.

5. Claudia Leite e Ivete Sangalo vão cantar o “hino das olimpíadas” composto por Latino e MC Medalha. As duas vão duelar durante a música pra aparecer mais na TV.
6. Durante o Hino Nacional Brasileiro a platéia vai errar a letra, chorar como se entendesse o que está cantando e aplaudir no final como se fosse um gol.

7. Uma brasileira vai ser filmada varias vezes com um top amarelo, um shortinho verde e a bandeira do Brasil pintada da bochecha. Depois dos jogos ela posará pra Playboy sem o top e sem o shortinho, mas com a bandeira pintada em outras
partes que também começam com a letra B.

8. Por falta de gás na última hora, já que a cerimônia só foi ensaiada durante a madrugada pela primeira vez, a pira não vai funcionar. Zeca Pagodinho será o substituto temporário já que a Brahma é um dos patrocinadores. Em entrevista ao Fantástico ele dirá que não se lembra direito do fato.

9. 74 passistas de fio-dental vão iniciar a cerimônia mostrando o legado cultural do rio ao mundo: a bala perdida, o trafico, o funk e a favela.

10. Durante os jogos de tênis a platéia brasileira vai vaiar os jogadores argentinos obrigando o árbitro a pedir silencio 774 vezes. Como ele pedira em inglês ninguém vai entender e vai continuar vaiando. Galvão Bueno vai dizer que vaiar é bom, mas vaiar os argentinos é melhor ainda. Oscar concordará e depois pedirá desculpas chorando no programa do Gugu.

11. Um simpático cachorro vira-lata furará o esquema de segurança invadindo o desfile da delegação jamaicana. Será carregado por um dos atletas e permanecerá no gramado do Maracanã durante toda cerimônia. Será motivo de 200 reportagens, apelidado de Marley e será adotado por uma modelo emergente que ficará com dó do pobre animalzinho e dirá que ele é gente como a gente.

12. Adriane Galisteu posará pra capa de CARAS ao lado do grande amor da sua vida, um executivo do COB, claro.

13. Os pombos soltos durante a cerimônia serão alvejados por tiros disparados por uma favela próxima e vendidos assados na saída do maracanã por “dois real”.

Durante os jogos

1. Caetano Veloso dará entrevista dizendo que o Rio é lindo, a cerimônia de abertura foi linda e que aquele negão da camiseta 74 da seleção americana de basquete é lindo

2. uma modelo-manequim-piranha-atriz-exBBB vai engravidar de um jogador de hóquei americano. Sua mãe vai dar entrevista na Luciana Gimenez dizendo que sua filha era virgem até ontem, apesar de ter namorado 74 homens nos últimos seis meses e que o atleta americano a seduziu com falsas promessas de vida nos EUA. Após o nascimento do bebê ela posará nua e terá um programa de fofocas numa rede de TV de menor expressão.

3. No primeiro dia, os EUA, a China e o Canadá já somarão 74 medalhas de ouro, 82 de prata e 4 de bronze. Os jornalistas brasileiros vão dizer a cada segundo que o Brasil é esperança de medalha em 200 modalidades e certeza de medalha em
outras 74.

4. Faltando 3 dias para o fim dos jogos, o Brasil terá 3 medalhas de bronze e 1 de ouro, ganha por atletas desconhecidos até então num esporte tipo “caiaque em
dupla”. Eles vão ser idolatrados por 15 minutos (somando todas as emissoras abertas e a cabo) como exemplos de força e determinação, a Hebe vai dizer que eles são “uma gracinha” ao posar mordendo a medalha e nunca mais se ouvirá os
nomes dos atletas.

5. a seleção brasileira de futebol comanda por Ronaldo Fenômeno tendo Obina como assessor vai chegar como favorita. Passara fácil pela primeira fase e entrará de
salto alto na fase final, perdendo pra seleção de Sumatra por humilhantes 3X0 tendo que disputar a medalha de bronze com um país centro-americano. Vencerá por 1X0 e não comparecerá à cerimônia de entrega das medalhas porque os
jogadores inexplicavelmente tinham compromisso em seus clubes europeus.

6. A seleção americana de vôlei visitará uma escola patrocinada pelo Criança Esperança. Nenhuma criança vai entender nada do que eles falarão mas vão rir pra valer ao aparecer na TV. Três meninos vão ganhar uma bola e um uniforme completo dos jogadores e serão encontrados mortos na semana seguinte. Os uniformes nunca mais serão vistos.

7. Os traficantes da Rocinha vão roubar aquele pó branco que os ginastas passam na mão. Um atleta cubano será encontrado morto numa boate do Baixo Leblon depois de cheirá-lo. O COB, a fim de não atrasar as competições de ginástica vai substituir o tal pó pelo cimento que estará estocado nos fundos do ginásio visto que as obras ainda não terão terminado, fato que será usado como desculpa pela eliminação dos ginastas brasileiros.

8. Um atleta brasileiro nunca visto antes terminará em 74º lugar na sua modalidade e roubará a cena ao levantar a camiseta mostrando outra onde se lê : JARDIM MATILDE NA VEIA.

9. Vários atletas brasileiros apontados como promessa de medalha serão eliminados logo no inicio da competição. Suas provas serão reprisadas em slow motion e 400 horas de programas de debate esportivo vão analisar os motivos das
suas falhas.

10. Todos os brasileiros entenderão todas as regras de todas as modalidades que eles nunca nem ouviram falar mas saberão na ponta da língua na hora de xingar o atleta que foi eliminado.


Após os jogos


1. Um boxeador brasileiro negro de 1,85m estrelará um filme pornô pra pagar as despesas que teve pra estar nos jogos e não obteve patrocínio.

2. Faustão entrevistará os atletas brasileiros que não ganharam medalhas (ou seja, todos). Não os deixará pronunciar uma palavra sequer, mas dirá que esses caras são exemplos no profissional tanto quanto no pessoal, amigos dos amigos,
etc etc. "

(autor desconhecido)

domingo, 25 de outubro de 2009

Comercial para vacinação contra a Gripe Suína em 1976

No mínimo estranho. Propaganda vinculada nos Estados Unidos, no ano de 1976, estimulando a vacinação contra a gripe suína, que até poucos dias era a palavra da moda nos noticiários do mundo todo.
Ou será que um video fake muito bem produzido? Parece que não!


terça-feira, 20 de outubro de 2009

Lição para nós, Vagabundos

“(...) era engraçado. Tudo o que eu havia feito era cantar canções totalmente sinceras e que expressavam novas realidades poderosas (...), não estava vociferando as opiniões de ninguém (...), meu destino assentava-se na estrada com o que quer que a vida trouxesse, não tinha nada a ver com representar qualquer tipo de civilização. Ser verdadeiro consigo mesmo, esse era o meu lance.”

Bob Dylan

Dica da Betína, uma das Mulheres que Amamos.

domingo, 18 de outubro de 2009

BRILHE, LOUCO DIAMANTE

a Syd Barret



Vamos,
estranho, lenda,
mártir,
e brilhe!

Você buscou alcançar o segredo cedo demais
Você quis o impossível
Continue a brilhar, louco diamante
Ameaçado pelas sombras à noite
E exposto à luz
Continue a brilhar, louco diamante

Manifeste-se, mineiro da verdade e da ilusão,
E brilhe!

Syd Barret é um desses gênios prematuros para o mundo. O primeiro líder do Pink Floyd será sempre o expoente maior do rock psicodélico criado pelo grupo inglês. Seu nome está escrito entre os maiores de todos os tempos na música.
No último dia 5 de Agosto, comemorou-se os 42 anos de lançamento do primeiro disco da banda, "The Piper at the Gates of Dawn". E sempre é hora para brindarmos!
BRILHE, LOUCO DIAMANTE,
SYD BARRET

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Ressaca

imagem: sextasessao.wordpress.com


Toda segun
da-feira pro
meto não
beber nenhum
gol
e, não botar cig
arro na boca
e comer
menos sal, mais sala
da e ver
dura, fazer
exercí
cio e não atras
ar no trab
alho, cara.

São pro
messas de
fim de sem
ana e iní
cio de outra,
e tudo re
começa.

Não par
o de beber
nem de fu
mar, assim
como te lembro qu
ando res
piro.

Te dei
xar e esque
cer é promessa de segunda-
feira, não cumpro,
mesmo que faça
mal como tu
fezes
fedes,
fazes,
fodes
comigo.


Vera Pinheiro (colega minha de Poema Dia)

sábado, 10 de outubro de 2009

O FUTURO DO BRASIL

Afinal, somos terra de gente feliz, sede da Copa do Mundo e das Olimpíadas. País do molejo, do samba faceiro e do futebol.
Sem falar que estamos construindo um novo Brasil!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Da Série Diálogos Pós-Modernos: O Homem e a Mulher

Mulher – Onde você vai?

Homem – Vou sair um pouco.

Mulher – Vai de carro?

Homem – Sim.

Mulher – Tem gasolina?

Homem – Sim…. coloquei.

Mulher – Vai demorar?

Homem – Não… coisa de uma hora.

Mulher – Vai a algum lugar específico?

Homem – Não… só rodar por aí.

Mulher – Não prefere ir a pé?

Homem – Não… vou de carro.

Mulher – Traz um sorvete pra mim!

Homem – Trago… que sabor?

Mulher – Manga.

Homem – Ok… na volta eu passo e compro.

Mulher – Na volta?

Homem – Sim… senão derrete.

Mulher – Passa lá, compra e deixa aqui..

Homem – Não… melhor não! Na volta… é rápido!

Mulher – Ahhhhh!

Homem – Quando eu voltar eu tomo com você!

Mulher – Mas você não gosta de manga!

Homem – Eu compro outro… de outro sabor.

Mulher – Aí fica caro… traz de cupuaçu!

Homem – Eu não gosto também.

Mulher – Traz de chocolate… nós dois gostamos.

Homem – Ok! Beijo… volto logo….

Mulher – Ei!

Homem – O que?

Mulher – Chocolate não… Flocos…

Homem – Não gosto de flocos!

Mulher – Então traz de manga prá mim e o que quiser prá você.

Homem – Foi o que sugeri desde o começo!

Mulher – Você está sendo irônico?

Homem – Não tô não! Vou indo.

Mulher – Vem aqui me dar um beijo de despedida!

Homem – Querida! Eu volto logo… depois.

Mulher – Depois não… quero agora!

Homem – Tá bom! (Beijo.)

Mulher – Vai com o seu ou com o meu carro?

Homem – Com o meu.

Mulher – Vai com o meu… tem cd player… o seu não!

Homem – Não vou ouvir música… vou espairecer…

Mulher – Tá precisando?

Homem – Não sei… vou ver quando sair!

Mulher – Demora não!

Homem – É rápido… (Abre a porta de casa.)

Mulher – Ei!

Homem – Que foi agora?

Mulher – Nossa!!! Que grosso! Vai embora!

Homem – Calma… estou tentando sair e não consigo!

Mulher – Porque quer ir sozinho? Vai encontrar alguém?

Homem – O que quer dizer?

Mulher – Nada… nada não!

Homem – Vem cá… acha que estou te traindo?

Mulher – Não… claro que não… mas sabe como é?

Homem – Como é o quê?

Mulher – Homens!

Homem – Generalizando ou falando de mim?

Mulher – Generalizando.

Homem – Então não é meu caso… sabe que eu não faria isso!

Mulher – Tá bom… então vai.

Homem – Vou.

Mulher – Ei!

Homem – Que foi, cacete?

Mulher – Leva o celular, estúpido!

Homem – Prá quê? Prá você ficar me ligando?

Mulher – Não… caso aconteça algo, estará com celular.

Homem – Não… pode deixar…

Mulher – Olha… desculpa pela desconfiança, estou com saudade, só isso!

Homem – Ok, meu amor… Desculpe-me se fui grosso. Tá.. eu te amo!

Mulher – Eu também! Posso futricar no seu celular?

Homem – Prá quê?

Mulher – Sei lá! Joguinho!

Homem – Você quer meu celular prá jogar?

Mulher – É.

Homem – Tem certeza?

Mulher – Sim.

Homem – Liga o computador… lá tem um monte de joguinhos!

Mulher – Não sei mexer naquela lata velha!

Homem – Lata velha? Comprei pra a gente mês passado!

Mulher – Tá..ok… então leva o celular senão eu vou futricar…

Homem – Pode mexer então… não tem nada lá mesmo…

Mulher – É?

Homem – É.

Mulher – Então onde está?

Homem – O quê?

Mulher – O que deveria estar no celular mas não está..

Homem – Como!?

Mulher – Nada! Esquece!

Homem – Tá nervosa?

Mulher – Não… tô não…

Homem – Então vou!

Mulher – Ei!

Homem – O que ééééééé, caralho?

Mulher – Não quero mais sorvete não!

Homem – Ah é?

Mulher – É!

Homem – Então eu também não vou sair mais não!

Mulher – Ah é?

Homem – É.

Mulher – Oba! Vai ficar comigo?

Homem – Não vou não… cansei… vou dormir!

Mulher – Prefere dormir do que ficar comigo?

Homem – Não… vou dormir, só isso!

Mulher – Está nervoso?

Homem – Claro, porra!!!

Mulher – Porque você não vai dar uma volta para espairecer?

Homem – Ah, vai tomar no cú…

(autor desconhecido)

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Como cagar na casa da namorada?

imagem: atoouefeito.com.br

Como cagar na casa de sua namorada sem comprometer o relacionamento? Como se comportar naquele momento em que você está com o charuto no beiço, na casa da sua namorada? Aí vai mais um guia de utilidade pública:

1 – Não cague
Ok. O guia parte do pressuposto que você vai cagar na casa dela. Mas, antes de cagar, avalie a possibilidade de não fazê-lo. Quando sentir a pontada, raciocine. "Posso segurar? É desesperador?" Nessa hora, é fundamental saber se essa segurada não se transformará em uma fábrica de flatulências. Se isso ocorrer, opte por cagar.

2 – Não cague em banheiro muito freqüentado
Se você tem de cagar, escolha aquele lavabo que fica na sala onde ninguém visita. Ou vá ao banheiro da empregada (isso, claro, se a empregada não estiver presente). Ou vá à suíte do quarto de hóspedes. Algo do tipo. Evite a todo custo o banheiro do corredor ou aquele ao lado da sala de televisão. É caixão. Você vai lá, todo feliz, despeja seus detritos no vaso, lava as mãos e, quando sai, vê sua sogra indo direto no banheiro para lavar a mão antes do almoço! Ou o sogro! Ninguém merece. Um dos momentos mais constrangedores da vida de um homem. Só perde para aquela vez que sua mãe entrou no banheiro e flagrou você se masturbando.

3 – O trono
Examine a privada da casa da sua namorada. Antes de cagar, dê descarga para ver se ela está funcionando. Nunca, em hipótese alguma, inicie os trabalhos sem dar descarga e testar a potência dela. Caso contrário, se a privada estiver entupida, você terá três caminhos a seguir, todos desgraçadamente ruins:
1) Deixar a bosta boiando ali e correr o risco do seu sogro entrar em seguida e, para todo o e sempre, considerá-lo um sujeito decrepto por deixar o mandela a boiar;
2) Tentar dar descarga, a água transbordar e você ficar ali, vendo a água da privada inundar o banheiro com resquícios de suas fezes. Um caos completo, com direito a deixar a mãe dela limpando aquela bosta toda;
3) Ser obrigado a pegar um saco plástico, enfiar a bosta dentro e sair – com o saco plástico pingando água da privada no chão – até conseguir chegar ao banheiro mais próximo. Em resume: teste a merda da privada.

4 – O fedor
Tenha cuidado com o mau cheiro. Alguns machos são mestres em cagadas fedorentíssimas. Use a inteligência. Ao despejar a merda no vaso, dê descarga imediatamente. O raciocínio é simples: quanto mais ela ficar boiando por ali, mais cheiro ruim vai exalar. O ideal seria cagar com a descarga funcionando, mas molha a bunda. Quando estiver no trono, olhe em volta. Abra os armários e as gavetas. Se achar um perfume, dê umas borrifadas no vaso e no banheiro antes de sair do recinto. É uma boa forma de matar as moléculas de merda que estão voando pelo ar. Se tiver "Bom Ar", não exagere. Você não vai querer sair do banheiro cheirando bom ar. Ah, e sempre, sempre, sempre feche a porta.

5 – O papel
Nunca, mas nunca mesmo, comece os trabalhos sem verificar se há papel higiênico no recinto. Toda a sua estratégia escorre pela privada se você tiver de abrir a porta e gritar: "Amoooooooor! Acabou o papel!". Ninguém merece!

6 – Thanks for sharing
Os americanos têm uma expressão de fabulosa ironia que é o "thanks for sharing". Usa-se essa expressão toda vez que alguém lhe conta algo que você realmente não precisava saber. Isso serve para quando o homem termina de cagar na casa da namorada. Você, idiota, não precisa contar pra ela. Você não está entre amigos, onde você sai do banheiro e diz "tô até mais leve" ou "nossa, essa cagada foi masculina". Ela não precisa saber. Aliás, ninguém precisa saber. Contenha sua vocação pra idiota e silencie sobre o que você fez no banheiro.

(autor desconhecido)

domingo, 27 de setembro de 2009

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Manual Masculino

Queridas Fêmeas;


“Peitos e bundas existem para serem olhados, e é por isso que olhamos. Não tentem mudar isso.

Aprendam a manejar o assento da privada. Vocês já são bastante crescidinhas pra isso. Vocês são grandes garotas. Se ele está levantado, abaixem-no. Nós precisamos dele levantado, vocês precisam dele abaixado. Vocês não nos ouvem reclamar quando vocês deixam o assento abaixado.

Sábado = futebol. É como a lua cheia ou a mudança das marés. Não se muda isto.

Fazer compras não é um esporte. E não adianta, nós nunca vamos pensar de outro jeito.

Choro é chantagem.

Peçam o que vocês querem. Vamos deixar isso bem claro:
- Dicas sutis não funcionam!
- Dicas grosseiras não funcionam!
- Dicas óbvias não funcionam!
- Apenas peçam o que querem!

Apenas ‘Sim‘ ou ‘Não‘ são respostas perfeitamente aceitáveis para a maioria das perguntas.

Tragam-nos um problema se querem ajuda para solucioná-lo. É o que nós fazemos. Para solidariedade existem as amigas.

Dor de cabeça que já dura mais de 17 meses é um problema. Consultem seu médico!

Tudo aquilo que nós dissemos há seis meses não será admitido como argumento. Aliás, todos nossos comentários se tornam nulos e sem efeito após sete dias.

Se vocês acham que estão gordas, provavelmente estão mesmo. Não perguntem isso pra nós.

Se algo que dissemos pode ser interpretado de duas formas, e uma delas deixa vocês tristes ou magoadas, entendam: nós falamos com o significado da outra forma.

Vocês podem escolher: ou nos peçam algo, ou nos digam como deve ser feito. Nunca as duas coisas. Se vocês já sabem qual é o melhor jeito de fazê-lo, simplesmente façam!

Sempre que possível, por favor, digam o que precisam dizer durante os comerciais.

Pedro Álvares Cabral não precisou de orientações. Nós também não precisamos.

Todos os homens enxergam em 16 cores, como o padrão do Windows. Pêssego, por exemplo, é uma fruta e não uma cor. Abóbora também pertence ao reino vegetal. Nós não temos idéia do que é fúcsia.

Se algo pinica, será coçado. Nós fazemos isso.

Se perguntarmos o que está errado, e vocês responderem “nada“, nós vamos agir como se nada estivesse errado. Nós sabemos que é mentira, mas não vale a pena discutir por isso.

Se vocês fazem uma pergunta e não querem ouvir a resposta, estejam preparadas para ouvir o que não querem.

Quando temos que ir a algum lugar, qualquer coisa que estejam vestindo estará ok. É sério!

Não nos perguntem o que estamos pensando, a menos que estejam prontas para discutir assuntos como: Sexo, Futebol e Carros.

Vocês têm roupas suficientes.

Vocês têm sapatos demais.

Eu estou em forma! Redondo é uma forma.”

(Autor desconhecido)

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Lady Gaga

Encorajado pelo Blog de Meninas:

domingo, 13 de setembro de 2009

Cinema: "Disctrict 9"

Há tempos eu não via um filme de ficção científica tão bom. Trata-se de "District 9", lançado nos cinemas recentemente.

Longe da vala comum dos filmes do gênero, surpreende. Não trata de monstros intimidadores a desafiar o mocinho e a mocinha, nem de longas viagens interestelares atrás de mundos imaginários. 'District 9' trata de problemas reais, apesar de partir de uma ideia meio maluca. Em Joanesburgo, há 20 anos, uma nave de outro mundo teve uma pane e ficou pairando no ar sobre a cidade. Os tripulantes dessa nave, cerca de 1 milhão de alienígenas, são alocados no subúrbio da cidade africana. Por duas décadas humanos e alienígenas passam a coexistir.

Diante dessa realidade, conflitos raciais e sociais tomam forma. Os alienígenas são tratados como sub-espécie, ao mesmo tempo que animalescamente tentam se incorporar aos nossos costumes. Uma inteligente trama é montada a partir de então, apontando a intransigência e o preconceito presentes no ser humano. Um filme que metaforicamente trata de problemas reais no nosso tempo.

Confira o trailer:

Algum Lugar

Nem eu mesmo sei onde estou.
Caí na calçada.
Procurava não sei o que,
mas procurava...

Estou aqui ouvindo um blues novamente.
Esta parada sempre me foi aprazível,
especialmente nas noites de isolamento
em que não me distinguia do trem.
Éramos dois cargueiros solitários
a perambular pelo planeta
em busca de um único recanto de conhecimento.
Sempre o destino era silêncio
ou barulhos sem sincronia.

Pouco,
muito pouco,
se aproveitou daqueles breves momentos.
Momentos que perdi
rapidamente
ao amanhecer.
Estive só
quando todos cantavam a canção saudável.

Como um tolo segui...
Fui indiferente a apelos.
Ninguém deveria respondê-los:
descasos da solidão.

Não procuro o fim.
Permaneço no mergulho sorrateiro.
O que eu deixei de ser não importa,
nem mesmo as mulheres que deixei de beijar.
O amor é uno e indivisível!

Importa somente o que está atrás da porta.
Pediu-me para entrar,

e já não sei a diferença
de expectativa
e angústia.


(Discípulo Corujão)

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Quando escrevo...

imagem: petitsecrets.blogspot.com


Sempre fui daqueles que esperei o sol descer para matraquear os dedos sobre o teclado. Bastava o sol vir laranja sobre os móveis da minha sala para que minhas inspirações chegassem, a fumaça dos meus cigarros se misturassem aos aromas dos cafés que esfriavam a meu lado, e toda minha mente fervilhasse na liberdade de simplesmente pensar.

Sento-me diante da tela luminosa, com o fulgor de um adolescente diante da primeira mulher nua diante de seus olhos. É a mesma sensação de sempre: os olhos a vagar pelo ambiente que se escurece, as fumaças todas ali, as antigas namoradas... Tudo à frente, a bater nos meus pensamentos da mesma forma que bato em cada tecla que se fulgura na minha mente.

E as idéias vêm e vão às tragadas, a goles de café frio, a pensamentos que não sei mais se são lembranças ou invenções da minha cabeça. E elas vão à tela, se formam e criam formas, outras, e outras tantas. Viram histórias, ou materializam-se simplesmente, numa tentativa de tecer em argumentos e conexões lógicas o que talvez nem eu saiba ao certo que é.

Pois tudo, dos poemas às filosofias, são sentimentos meus que, mais que os que os lêem, desconheço. Não sei de que forma produzo idéias tão deslineares, à mercê de toda a lógica que venero, que vulgarizo em meus diálogos ou noutros textos, com outras finalidades. Nem sei ao certo que papel a formulação de linhas assim tem na minha vida - se é que tem alguma função a não ser aliviar minhas infantilidades e dramas sem importância.

Só sei que preciso estar aqui, diante dessa tela, no meio da fumaça e com o café a me agredir cada vez mais. E com a sensação, ultimamente, de que as linhas têm se tornado mais difíceis, e que as páginas não têm se completado, como se eu não tivesse mais muito a dizer, apesar dessa perturbação toda.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

4 de setembro

A breve história dos Vagabundos já registra alguns episódios memoráveis, como os acontecidos em 11 de janeiro de 2008 e 27 de janeiro de 2009. Porém, assim como acontece com os Estados-nação, há fatos anteriores à sua formação que também são importantes. E no nosso caso, trata-se do ocorrido em 4 de setembro de 2005. É, embora o blog só tenha surgido em 2007, a Vagabundagem Iluminada como filosofia é mais antiga.

Nesse dia, conforme já lembrei no post Celeste Olímpica, me reuni com o Diego para tomar cerveja na República do Pastel. (Daí o título da postagem citada, a pastelaria estava lotada de uruguaios - inclusive o dono - que torciam pela seleção do país em um jogo das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006.)

Só que foi mais do que cerveja com pastel. Eu me encontrava em (mais) uma daquelas situações tradicionalmente chamadas de "fossa", causadas por uma desilusão amorosa. Assim, as garrafas de ouro líquido que Diego e eu consumimos naquele início de noite foram acompanhadas não por conversas sobre futebol (e num bar lotado por causa do esporte bretão!), e sim, sobre foras que levamos de mulheres.

Ora, só o fato de tomarmos cerveja, falando de mulher, e sem futebol, já configura de certa forma uma Vagabundagem Iluminada - e obviamente não era a primeira vez que falávamos de mulher ao invés de futebol ou política. Mas aquele 4 de setembro de 2005 teve mais: o Diego propôs criar uma "sociedade de poetas" (se não mortos, bêbados). E, o principal de tudo, a frase "O amor é regido pela Lei de Murphy.", a primeira das "Filosofias Vagabundas", foi dita por mim naquele dia e anotada pelo Diego num guardanapo que ele jura guardar até hoje. Ora, podemos dizer que estava plantada a semente da qual, dois anos e dezessete dias depois, nasceria o blog Vagabundos Iluminados.

Bom, aí alguém pode perguntar pelo camarada Corujão, onde ele estava? Bom, a resposta é a mesma que em 11 de janeiro de 2008 ou 27 de janeiro de 2009: não sabemos... Mas isso não tira o status de "Vagabundagem Iluminada" daquele pastel com cerveja, pelos motivos que já expliquei.

Bom, mas como bebemorar um dia tão especial? Ainda mais com um dos protagonistas daquele diálogo histórico estando tão distante?

Simples: abramos uma cerveja, e na hora de beber o primeiro gole, façamos um brinde, mesmo que "mental", em homenagem.

VIVA A VAGABUNDAGEM ILUMINADA!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Como é difícil a vida de vagabundo

Nosso trabalho deveria ser remunerado...

E viva a heineken

Mulheres que Amamos...

Por Maria-Sem-Vergonha.


Hilda Hilst


Aquele outro não via...
Aquele outro não via minha muita amplidão
Nada lhe bastava. Nem ígneas cantigas.
E agora vã, te pareço soberba, magnífica
E fodes como quem morre a última conquista
E ardes como desejei arder de santidade.
(E há luz na tua carne e tu palpitas.)
Ah, por que me vejo vasta e inflexível
Desejando um desejo vizinhante
De uma fome irada e obsessiva?

Anais Nin

As carícias da noite anterior
haviam sido intensamente maravilhosas,
como todas as chamas multicolores
de um engenhoso fogo de artifício,
irrupções de sóis e neons
explodindo no interior do corpo,
velozes cometas
dirigidos a todos os centros de prazer,
estrelas cadentes de profundas alegrias...



Florbela Espanca

Ódio?
Ódio por ele? Não...
Se o amei tanto,
Se tanto bem lhe quis no meu passado,
Se o encontrei depois de o ter sonhado,
Se à vida assim roubei todo o encanto...
Que importa se mentiu? E se hoje o pranto
Turva o meu triste olhar, marmorizado,
Olhar de monja, trágico, gelado
Como um soturno e enorme
Campo Santo!
Ah! nunca mais amá-lo é já bastante!
Quero senti-lo d’outra, bem distante,
Como se fora meu, calma e serena!
Ódio seria em mim saudade infinda,
Mágoa de o ter perdido, amor ainda.
Ódio por ele? Não... não vale a pena...


Virginia Woolf


... quando de repente se apagou a luz. Tínhamos caído. Tudo estava extinto. Não havia cor. A terra estava morta. Esse foi o momento espantoso; e o próximo quando, como que uma bola que tivesse ressaltado, a nuvem ganhou de novo cor, apenas uma pincelada de uma cor etérea, e assim voltou a luz. Tive um sentimento muito forte de que a luz se tinha ido embora numa poderosa obediência; como que algo ajoelhando-se e levantando-se subitamente quando as cores voltaram. Regressaram sobre o vale e as colinas com espantosa luminosidade e rapidez e beleza — primeiro, miraculosamente cintilantes e etéreas, depois, quase como normal, mas com uma grande sensação de alívio. Era como uma recuperação. Tínhamos estado muito pior do que o que pensávamos. Tínhamos visto o mundo morto. Era um dos poderes da natureza. A nossa grandeza também tinha sido aparente.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Barriga é tendência do verão

Do site da Revista Época:

“Muito curiosa a coluna de Guy Trebay, editor de moda do The New York Times, na semana passada. Eis sua descrição de um dos looks masculinos mais cool do verão norte-americano: bermuda na altura do joelho, camiseta com gola em V, tênis sem cadarço tipo Vans, chapéu de palha e, acreditem, uma charmosa pancinha despontando na camiseta. “Saliente o suficiente para aparecer no corte folgado das camisetas, mas não tão grande a ponto de ser chamada de barriga de cerveja, a pancinha está em todo lugar”, escreveu o colunista. ”Sustentar uma pancinha é um privilégio masculino antigo, que significa prosperidade em muitas culturas e também representa uma libertação da ansiedade com a imagem do corpo, que persegue as mulheres desde Eva”. Pois é. O ideal He-man parece estar com os dias contados.

Até pouco tempo, os homens não se sentiam obrigados a exibir um abdômen de tanquinho. Tudo mudou quando as mulheres entraram em massa no mercado de trabalho. Segundo David Zinczenko, editor de uma revista de ginástica masculina norte-americana, a competição os obrigou a se imbuir de uma armadura física (músculos, no caso) para mostrar como seriam mais fortes que as mulheres.
Para o colunista do NYT, a volta da pancinha pode ser descrita por vários fatores. Sobrou até para o presidente Barack Obama. Pode ser uma maneira de se opor, de contrariar o modelo disseminado por um presidente que faz ginástica toda manhã e tem uma barriga plana.

Além disso, pode ser também um retorno à masculinidade. Para ele, não é legal para um homem dar a entender que tem muito tempo de sobra para cuidar do próprio corpo. Segundo Aaron Hicklin, editor de outra revista masculina, “o que antes parecia jovem e quente, tanto para gays como para heteros, agora é passado”. Essas e outras afetações metrosexuais podem soar como futilidade. (...)”

domingo, 23 de agosto de 2009

ECOS



Eu me olho no espelho,
mas a imagem que eu vejo não é a minha.
Algum retalho de mim.
Alguma força oculta
que me dominou no fim da viagem
até fazer reviravoltas na consciência.

Fiquei em pânico.
Minhas sinapses não respondiam
ao poder dos acontecimentos.
Minha força era insuficiente.

Observei os cômodos da casa.
Uma falsidade aprazível aos olhos,
mas indesejada pela alma.
Não entendi a ruga que se manifestou no espelho.
Era eu quem envelhecia
ou o que eu acreditava até este sublime momento?

Estava irreconhecível.
Póros fechados para a lucidez.
Estive em metamorfose
enquanto me olhava com as luvas de metal.
Perfeita representação de mim,
do eu sobrenatural
que começava a se debater dentro da casca.

Levantei-me,
fui conferir o ruído da porta.
Nenhum eu estava mais lá.
Silêncio!

Caminhei até o labirinto novamente.
Sentei-me, pensativo,
o que era o ruído:
agora se transportava da porta
para perturbar minha calma
e a alforria luxuosa de um bom vinho.

Transportava o garfo à boca,
com indiferença.
Até que se quebrou o cristal.
Tudo que eu imaginava como certeza
se precipitou para uma câmara doentia
de desespero.

O conhecimento apenas nos vem na enfermidade!

Apontei o dedo com exatidão.
Voltei para o mesmo lugar de onde tinha vindo.
A bloco imovível diante de mim
expandia minha mente
e quebrava toda a corrente de certezas
de um humano insuficiente.

Renasci de repente,
na força de um astro celeste
que me mostrou a direção.
Fiz-me de luz,
brilhei mais do que o sol.
Criei traços de eternidade
a rasgar a noite escura,
essa noite permanente no universo
e no coração.

Iluminei então as trevas
num único ato de pureza e desprendimento.


(Discípulo Corujão)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Amigo de 1985



Sei que não parece,
mas te entendo, amigo…

Entendo por que te sentes assim:
Incrédulo.

Estamos todos incrédulos...

Filhos da racionalidade,
da lógica,
da democracia,
de todas as vitórias que tiveram nossos pais,
mas que não nos trouxeram nada,
a não ser essa angústia,
essa sensação de frustração
no meio da abundância.

Senta-te aqui, amigo,
e não te sinta só.

Sei que todos os males foram vencidos,
que nossa vida é outra,

mas os pássaros não têm seus cantos mais bonitos,
e aqueles amores prometidos, nunca chegaram.

Por enquanto, senta-te aqui, a meu lado,
e contempla:

Olha essas pessoas aí, caminhando,
tocando suas vidas num matraquear de sapatos no asfalto,
numa ausência de fé,
de heróis,
de sonhos...

Sabe, amigo?
Tenho inveja dos ingênuos,

que crêem em suas besteiras,
que dão importância a suas bobagens,
mas que têm horizontes.

Por isso, parei de julgar:

Não condeno mais os loucos,
passei a tolerar imprudências,
e a desconstruir minhas visões.

Passei a ter medo dos sábios,
a desrespeitar os mais velhos,
a suspeitar dos felizes,
a desmistificar os seguros,

e também a compreender teus choros noturnos.

Porque sei que não parece,
mas te entendo, amigo…

domingo, 16 de agosto de 2009

terça-feira, 11 de agosto de 2009

A Cidade

Juiz de Fora - MG


Poucas coisas nos fazem observar a cidade. Às vezes, tenho a impressão de que a cidade é invisível aos olhos de alguns ou, quem sabe, aos olhos de muitos. Percebo isso quando alguém me pergunta onde há, sei lá, uma padaria, e não sei responder que há uma ao lado da minha casa; ou quando preciso de uma farmácia e me surpreendo ao encontrar uma na rua pela qual sempre passo, sem nunca a ter visto antes. A cidade é mesmo invisível.

Nunca mais caminhei pela cidade. Passo por algumas de suas ruas, geralmente as mesmas, sempre a pé, mas caminhar pela cidade, isso faz tempo que não faço. Não sei o que há na rua atrás da que moro, ou mesmo se há uma rua lá. Não sei se há ruelas, se é um bairro bonito ou feio. Vivo na cidade, estou enjoado dela, não a tolero mais, mas não a conheço, não a vejo.

Não sei descrever as pessoas que vivem na cidade. Não sei como são, o que fazem, do que gostam. Não sei o que pensam, nem sequer se falam a mesma língua que eu. Nunca conversei com elas. Elas simplesmente... passam. Não conheço suas cores, seus cabelos, seus rostos. Não sei como são as mulheres da cidade, seus jeitos, suas delicadezas, formas e belezas. Tampouco tomo tragos com seus homens, não conheço o poder de suas amizades, de suas crenças, ou a história de suas vidas.

Nem mesmo conheço as velocidades da cidade, suas sujeiras, suas podridões, suas avenidas desumanas, sem humanos. Não conheço suas pobrezas, suas maldições, seus casarões velhos e assombrados, seus monumentos destruídos. Não conheço seus heróis mortos, nem seus novos heróis, descrentes de suas lutas.

Não conheço nada da cidade. Não conheço suas fontes, suas águas, seus dias ensolarados. Não conheço suas crianças, suas praças, suas almas, animadas ou não. Realmente não conheço nada da cidade. Não conheço sequer a minha estrangeirice, ou a estrangeirice dos outros perante meu mundo pequeno, abafado e de portas pesadas.

domingo, 9 de agosto de 2009

Tabela Internacional de Graduação de Macho

(Enviado por e-mail pela minha amiga Cris)

1 - ESPORTES

a.. Futebol, automobilismo, esportes radicais = MACHO
b.. Boliche, voleibol = TENDÊNCIAS GAYS
c.. Aeróbica, spinning = GAY
d.. Patinação no Gelo, Ginástica Olímpica = BICHONA
e.. Os mesmos anteriores, usando short de lycra = BICHONA LOUCA

2 - COMIDAS

a.. Capivara, javali, comida muito apimentada = CONAN
b.. Churrasco, Massas, Frituras = MACHO
c.. Peixe e salada = FRESCO
d.. Sanduíches integrais = GAY
e... Aves acompanhadas de vegetais cozidos no vapor = BICHA ASSUMIDA

3 - BEBIDAS

a.. Cachaça, cerveja, whisky = MACHO
b... Vinho, vodka = HOMEM
c.. Caipifruta = GAY
d.. Suco de frutas normais e licores doces = MUITO GAY
e.. Suco de açaí, carambola, cupuaçu, com adoçante = PERDIDAMENTE GAY

4 - HIGIENE

a.. Toma banho rápido, usa sabão em barra = LEGIONÁRIO
b.. Toma banho rápido, usa xampu e esquece das orelhas ou do pescoço = MACHO
c.. Toma banho sem pressa e curte a água = HOMEM
d.. Demora mais de meia hora e usa sabonete líquido = TENDÊNCIAS GAYS PREOCUPANTES
e.. Toma banho com sais e espuma na banheira = VIADAÇO SEM CURA

5 - CERVEJA

a.. Gelada e em grandes quantidades = DESTROÇADOR
b.. Só cervejas extra, premium e importadas = HOMEM FINO DEMAIS
c.. Só uma às vezes para matar a sede = BICHICE SOB CONTROLE
d.. Com limão e guardanapo em volta do copo = BICHA
e.. Sem álcool = GAZELA SALTITANTE

6 - PRESENTES QUE GOSTA DE GANHAR

a... Ferramentas = OGRO
b.. Garrafa de whisky = MACHO
c.. Eletrônicos, informática, roupas de homem = HOMEM MODERNO
d.. Flores = VIADO
e.. Velas aromáticas, perfumes,doces caramelados, bombons = DONZELA VIRGEM

7 - CREMES

a.. Só creme dental = GORILA
b.. Protetor solar só na praia e piscina = HOMEM MODERNO
c.. Usa cremes no verão = BICHA FRESCA
d.. Usa cremes o ano todo = BICHONA TOTAL
e.. Não vive sem hidratante = CONSTA NA FILA DE ESPERA DA OPERAÇÃO PRA TROCA DE SEXO

8 - ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO

a.. Só dinossauros =BRUTO
b.. Tem um vira-lata que come restos da comida = HOMEM
C.. Tem cão de raça que só vive dentro de casa e come ração especial = BICHA
d.. O cão de raça dorme na sua própria cama = BICHONA TOTAL
e.. Prefere gatos = TOTALMENTE PASSIVA

9 - PLANTAS

a.. Nem pra comer = TROGLODITA
b.. Come algumas de vez em quando = RAMBO
c.. Tem umas no quintal, mas nem são regadas = HOMEM
d.. Tem plantinhas na varanda do apartamento = VIADO
e.. Rega, poda e conversa com as flores do jardim = BICHONA PERDIDA

10 - RELAÇÃO COM ESPELHO

a.. Não usa = VIKING
b.. Usa para fazer barba = MACHO
c.. Admira sua pele e observa seus músculos = GAY
d... Idem c, e ainda analisa a bunda = LOUCA
e.. Admira-se com diferentes camisas e penteados = TRAVECO

11 – PENTEADO

a.. Não se penteia ou rapa tudo = SELVAGEM
b.. Só se penteia pra sair à noite = HOMEM
c... Penteia-se várias vezes ao dia = FRESCO
d.. Pinta o cabelo = BICHONA TOTAL
e.. Dá conselhos de penteados = BELA ADORMECIDA

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Despertar-se



Acordamos devagar,
como se tivéssemos dormido somente poucas horas:

perturbados,
meio que tontos,
meio que ressacados de uma noite longa,
apesar das impressões.

O sol já a entrar através da janela,
o calor a sufocar nossos pensamentos,
a imprecisão de imagens na mente,
e tudo o mais...

A cama vazia como nossos estômagos,
como o quarto todo,
como sempre.

E outras tantas noites, então,
passam...

Nos fazendo acordar como se tivéssemos dormido somente poucas horas,
mas meio que ressacados de uma noite longa,

apesar das impressões.

domingo, 2 de agosto de 2009

Não enche meu saco!

Eu não quero sair
Hoje eu vou ficar quieto
Não adianta insistir
Eu não vou pro boteco
Eu não quero sair
Hoje eu vou ficar quieto
Não adianta insistir
Eu não vou pro boteco
Hoje eu não teco, não fumo
Não jogo sinuca
Não pego no taco
Tem muita gente maluca
Me apurrinhando
Enchendo o meu saco
Hoje eu 'to' de vara curta
Vou ficar no barraco
O que não falta é tatu
Pra me levar pro buraco

Converso afiada, amador, Carambola
Espeto é de pau em casa de ferreiro
Papagaio que acompanha João-de-Barro se enrola
Vira ajudante de pedreiro

Pequinês que quer brincar com Pitbull, pirou de vez,
vira piquenique de urubu.

(Seu Jorge)


quarta-feira, 29 de julho de 2009

Você

você é uma fera, ela disse
sua enorme barriga branca
e seus pés cabeludos.
você jamais corta as unhas
e tem mãos gordas
como patas de um gato
seu nariz vermelho e brilhante
e os maiores bagos que
eu já vi.
você lança esperma como
uma baleia lança água pelo
buraco das costas.

fera, fera, fera,
ela me beijou,
o que você quer para o
café-da-manhã?




Charles Bukowski

domingo, 26 de julho de 2009

A HISTÓRIA DO ROCK N' ROLL - PARTE 3

[Parte 1]
[Parte 2]


Sexo, drogas e Rock N' Roll. Os Rolling Stones "chutaram o balde" da sociedade estabelecida e construíram com todas as letras seu lema maior. Os amigos de infância Mick Jagger e Keith Richards formaram o grupo de rock mais atuante e provocante da história. Contemporâneo dos Beatles, dividiam o topo das paradas de sucesso da época.

Não se trata de antigos bons moços da classe média, como os Beatles. Os Stones saíram do subúrbio de Londres. Apreciadores dos velhos rockeiros clássicos da música negra, resolveram formar uma banda que colocasse em prática novamente o velho espírito do blues e do rock n' roll da década de 50. A "música selvagem" dos stones, como afirmava o pai de Jagger, foi a propulsão para uma juventude que se libertou completamente de qualquer escrúpulo moralista que havia até então. A missão da banda, contudo, era provocar uma revolução apenas para si próprios. É o que se extrai das palavras de Jagger: "a força impulsionadora dos Stones era nos tornarmos famosos, pegar um monte de garotas e ganhar um monte de dinheiro, isso e a idéia de ter nossa música tocada da melhor forma que pudéssemos". A banda foi liderada por Brian Jones até metade da década de 1960. Jovem de extrema rebeldia e muita habilidade musical, foi afastado oficialmente da banda pelo uso excessivo de drogas em 1969, e acabou morrendo sob misteriosas circunstâncias na piscina de sua mansão poucos dias após seu afastamento.

Os Stones são um caso raro de uma banda que conseguiu sobreviver ao tempo e ao ego de seus integrantes. Sucesso de vendas no mundo inteiro, é uma das maiores bandas de rock n' roll de todos os tempos. Resgataram o espírito transgressor dos negros do rock clássico e do blues, o que fez da banda um expoente do rock também enquanto contra-cultura. Aliado com as transformações da década de 60, especialmente a libertação sexual, os integrantes da banda foram deixando de ser vistos como transgressores para se tornarem um símbolo do prazer imediato: Satisfaction! De vilões a heróis!

Em suma, os Stones estavam preocupados apenas consigo mesmos. Mas, o que um grupo de jovens pobres da periferia pensaria senão apenas em si próprios para sobreviver? É apenas Rock N' Roll.




Nesta mesma linhagem britânica, surge uma tempestade chama The Who. Talvez a banda mais completa do período, fizeram o rock mais agressivo da década de 1960. Com apresentações de uma força monumental, foram os grandes meninos maus daquele contexto. Paul Friedlander os descreve com precisão: "Por suas apresentações ao vivo, o Who sempre foi considerado um dos mais vibrantes e divertidos grupos da história do rock. Mesmo quando comparado com as apresentações de hard rock dos anos 70, com suas demonstrações de proezas atléticas, cargas explosivas e energia frenética, o Who se sai bem. Naquela época, os Beatles balançavam suas cabeças de um lado para outro e os Rolling Stones vendiam sexo e espetáculo". Embora o The Who fosse o mais vibrante, por outro lado, foi a primeira grande banda de rock a se preocupar com as questões filosóficas e sociais de seu tempo. Ignorando a tradição de letras superficialmente juvenis e sem muito apelo à realidade social dos grupos de até então, estes britânicos pensaram "sua geração" como nenhum outro rockeiro tinha feito. Remete-mo-nos à Paul novamente: "O incrível poder das apresentações ao vivo do Who ofuscava o material extraordinariamente reflexivo e musicalmente interessante que o guitarrista-compositor Pete Townshend compôs durante os vinte e cinco anos de existência da banda. Dos três principais grupos da invasão inglesa - os Beatles e os Rolling Stones sendo os outros dois - o Who enfrentava as questões políticas e filosóficas do momento. Para Townshend, um bom rock era aquele que refletia preocupações sociais importantes e servia como um poderoso veículo de ideias".



(E fico por aqui...)

terça-feira, 21 de julho de 2009

imagem: jornalplasticobolha.blogspot.com





Minhas idas

e vindas

não me definem,
não me rotulam,
não me deixam em paz.

Me alteram,
me atormentam,
me conduzem

de um lado

a outro



in
fi
ni
ta
men
te
.
.
.


Incansavelmente...



Enquanto sigo


em movimento no tempo,



mas parado










no espaço.

domingo, 19 de julho de 2009

Bandinha Di Dá Dó

Em tempo...

Deixem-me apresentar a todos a "Bandinha Di Dá Dó". Conheci estes caras no Festival Psicodália, que acontece todos os anos no período de carnaval, em São Martinho-SC. Foi surpreendente ver aqueles palhaços no palco implacando um Rock N' Roll misturado com ritmos diversos. Artistas de verdade. Necessário garimparmos a verdadeira música, que sempre está em efervescência por aí... Basta procurar!


A HISTÓRIA DO ROCK N' ROLL - PARTE 2

[Parte 1: clique aqui]

Na segunda metade da década de 1950 os negros ainda faziam do rhythm and blues, irmão mais velho do Rock N' Roll, a música popular dos jovens negros nas ruas de Nova York e outros grandes centros. Nenhum grupo musical de notório apelo comercial surgiu desse efervecente caldo cultural, porém as ruas foram tomadas por jovens idealistas o bastante para produzirem um som de grande autenticidade em busca do sucesso. Este "som das ruas" era então conhecido como "Doo-wop". Desapareceram na mesma medida em que o Rock foi "embranquecendo" neste período. Mesmo assim, teve um impacto importante na música produzida na década de 60.

Aqui vai um som de "Frankie Lymon & The Teenagers", exemplo desse contexto (a música começa por volta de 2' 20''):



O começo da década de 60, após a explosão do Rock clássico, era caracterizado por uma espécie de desilusão geral para os seguidores fiéis do estilo. O excesso de comercialização e a perda do espírito original da periferia fez com que o Rock fosse encarado apenas como um ritmo pop interessante para as vendas das grandes gravadoras. Alan Betrock escreve a respeito: "Muitos seguidores da história do rock and roll acreditam que o verdadeiro espírito da música morreu no fim dos anos 50, e que os primeiros anos da década de 60 estavam repletos de uma massa mecanizada e sem cor, anunciada pela chegada dos "ídolos da juventude". Para os historiadores, este é um período de transição, uma espécie de calmaria antes da tempestade, como afirma Paul Friedlander.


Enquanto o Rock clássico dava seus últimos suspiros nos Estados Unidos, a Inglaterra preparava o terreno para um grupo de jovens ingleses, que dominariam o planeta: os Beatles. Foi a primeira mega-banda de Rock N' Roll, os ícones de uma nova geração, que tomariam não apenas as rádios inglesas, mas também as rádios norte-americanas e de vários países. O Rock ampliava suas fronteiras de forma inigualável até então, fazendo desse grupo o símbolo de toda uma nova era musical. Resgatando a temática juvenil do Rock clássico e liderados por John Lenon (jovem rebelde que via em Elvis Presley um herói), fizeram de sua música um grito que ecoava por todos os cantos. Estava reaberto o caminho. Podemos dizer que as grandes transformações da década de 60 no mundo, especialmente a respeito da libertação juvenil, teve uma boa influência dos Beatles. Apesar da aparente inocência da primeira fase do grupo, que vai de 1963 até 1965, suas letras convidativas a "curtir" o que a vida oferece de melhor não era o que uma sociedade conservadora e estável desejava. Exemplo desse primeiro período Beatlemaníaco encontramos na música "I Saw Standing There I":


A segunda fase dos Beatles podemos caracterizar pela fase mais politizada e psicodélica, que vai de 1966 até o último lançamento da banda em 1970. O contato com as drogas e os crescentes distúrbios sociais da década provocaram o amadurecimento da banda. A relação com outras personalidades ascendentes no mundo do Rock também influenciaram essa mudança, como foi o caso da amizade do grupo com Bob Dylan. Segundo reza a lenda, foi Dylan quem "apresentou" aos Beatles os poderes da maconha e das drogas alucinógenas. A busca por uma transcendência espiritual também é marca da banda nesse período, especialmente após incursão pela Índia e a recepção dessa cultura oriental.

Difícil escolher uma música como referência dessa segunda fase. Escolhi "Don't Let Me Down" de forma aleatória, mero exemplo desse Beatles "crescido":


(Continuo no próximo Domingo)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

A HISTÓRIA DO ROCK N' ROLL - PARTE 1

Entendendo ter sido pouca a minha contribuição a respeito do Dia Mundial do Rock, no última dia 13 de Julho, vou me intrometer a postar no dia que não me cabe, mas é por uma bela causa.

Dar-me-ei a liberdade de fazer uma postagem um pouco grande para retratar nossa arte maior em suas sucessivas gerações. Obviamente não será uma incursão detalhada e criteriosa, mas apenas um embarque numa viagem do tempo para sentir o gosto de cada período do rock.


As raízes do Rock estão intimamente ligadas à música negra. No final da década de 40, com o término da segunda grande guerra, um ritmo novo é chegado às radios, o "rhythm and blues". Derivado direto do blues, o ritmo marca um novo gênero musical, que seria o principal predecessor do Rock N' Roll. O folk e o country também influenciaram rockeiros que vieram a ser ícones da música popular norte-americana posteriormente, como Bob Dylan e Neil Young.

Aqui vai um som do Muddy Waters, um dos expoentes desse novo blues da década de 40. Acompenhe o relato de Paul Friedlander sobre o músico: "o falecido Muddy Waters, um apanhador de algodão e cantor de blues rural do Mississipi, formou uma importante banda de blues em Chicago no final dos anos 40. Bateria, baixo, uma guitarra rítmica e um piano formavam a seção rítmica básica, ou o "núcleo" da banda. Uma guitarra base e harmônica eram acrescentadas como instrumentos solo. Essa formação básica tornou-se modelo para as bandas de rock moderno e, mais tarde, para os roqueiros clássicos que adaptaram este formato de conjunto (ou grupo)".




A década de 1950, a seguir, é a década dos rockeiros clássicos, os que escancaram as portas das gravadoras e todo o cenário músical norte-americano com um novo ritmo, o Rock N' Roll. Uma música voltada para a juventude. É o que relatam Steve Chapple e Reebe Garafalo: "Nos anos 50, o Rock N' Roll atacou, quase diretamente, muitas das instituições que ajudavam a controlar os jovens... Durante os anos de autoritarismo silencioso do governo Eisenhower, a maneira sugestiva de se comportar no palco, os vocais guturais e as letras de duplo sentido do Rock N' Roll foram vistos como ataque à decência sexual e à família estável. O Rock N' Roll encorajou a separação da juventude do controle familiar". Ou ainda o que dizem Don Hibbard e Carol Kaleialoha: "Combine um formato de canção popular tradicional européia com um ritmo irregular afro-americano, uma ejaculação vocal e/ou instrumental para quebrar ou distorcer a melodia, e, em 1955, você tem um som novo".

Aqui vão dois sons que marcam essa época. Chuck Berry e Little Richard:




Logo a seguir, no final dessa mesma década de 1950, surge uma segunda geração, que deixou o Rock N' Roll um ritmo mais comercial. Os negros perdiam espaço para a chegada de Elvis Presley e os músicos dessa geração. Foi essa "embranquecida" no Rock N' Roll que tirou um pouco da visão rebelde do novo ritmo na convervadora sociedade norte-americana. E foi assim que o Rock explodiu em vendas em todo os Estados Unidos, consagrando de vez o novo ritmo. Façamos referência a dois nomes importantes desse período: o já referido Elvis Presley e Jerry Lee Lewis.



(continuo Domingo)